Eleição Suplementar em João Câmara poderá marcar o fim das oligarquias.

O município de João Câmara vive uma situação atípica com a eleição suplementar que acontece dentro dos próximos 15 dias. De uma lado o ‘novo’ com as candidaturas de Manoel Bernardo e Ana Catarina, dois estreantes na política que disputam os cargos de prefeito e vice-prefeita, respectivamente por consequência. Chapa apoiada pelo prefeito cassado Maurício Caetano, que em um ano e quatro meses de mandatos conseguiu construir uma liderança, digamos, nunca vista na política de Baixa Verde.

Do outro lado, as candidaturas de Lana Leite e Mestre Raimundo, prefeita e vice-prefeito respectivamente. Ela já vem de uma eleição municipal que por pouco não galgou vitória e ele, um ex-vereador, político com uma certa experiência.

O diferencial é que Lana e Mestre tem ao seu favor a união das oligarquias representadas por Ariosvaldo Targino (Vavá), ex-prefeito de quatro mandatos e a ex-prefeita Gorete Leite, de um mandato e irmão do ex-prefeito José Ribamar, de dois mandatos.

Se conseguir eleger Manoel Bernardo, Maurício consolidar sua liderança e entra para a história como o único político a derrubar as duas oligarquias da política camarense; que até então eram grandes rivais e que jamais se cogitava tal união.

Se Lana Leite vencer, a liderança de Maurício cai no desgaste já que ele terá que esperar oito anos para poder voltar a disputar uma eleição, conforme penalidade dada pela Corte do TRE/RN. E com isso, as duas maiores lideranças voltam poder, podendo reinar ainda por muito tempo.

Por Assis Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.